quinta-feira, 21 de junho de 2018

PLANO DIRETOR: BELISÁRIO PRESENTE

O convite foi feito, por parte da prefeitura e a comunidade se fez presente. Aliás, Belisário sempre age assim quando o assunto é de interesse coletivo.

A proposta da reunião era a de possibilitar o opinamento da comunidade na  atualização do Plano Diretor de Muriaé, que é um planejamento estratégico realizado pelas prefeituras, como também por empresas e entidades privadas, a fim de direcionar as ações da administração nos próximos anos. É um instrumento exigido das prefeituras, principalmente quando da obtenção de empréstimo e também como forma de tentar garantir continuidade de políticas, independente de mudanças na gestão.

A reunião foi aberta por Maita, Secretária Adjunta de Obras.
Mais servidores da Prefeitura...
O amigo Renato Galluzzi, da Comunicação Social, fazendo os registros ...
O PD será elaborado pela empresa de consultorias Geo Brasilis, após ouvir toda a comunidade muriaeense. Imagino que Launna, deva estar comentando com Grasielle: de onde saiu esse povo todo?
Salão do GAB cheio.
Pessoal da área de Saúde presente.
Logo no início Robin, da OSCIP IRACAMBI , questionou o fato de constar na transparência projetada no telão, a marca da CBA-Companhia Brasileira de Alumínio e do Grupo Votorantin. Reforça que a comunidade já tem se manifestado contrária à presença da mineração na área e assim não entende como um trabalho da prefeitura pode ser por ela patrocinado e vir ser apresentado aqui.
Reginaldo Roriz, Secretário de Governo da Prefeitura, pediu a palavra justificando a ausência do prefeito, que está em Brasília. Destacou que também pertence à comunidade de Belisário, já que aqui tem casa e aqui se casou, e que também é contrário à mineração nessa região. No entanto, lembra que a elaboração do Plano Diretor nada tem a ver com o assunto mineração.
Launa explica a dinâmica a ser adotada na noite.
Mostrando o que se pretende.
Os participantes se dividem em grupos.
Uma forma mais participativa, para que todo mundo possa manifestar os seus desejos para o distrito nos próximos anos, os ponto fracos, o que precisa melhorar...
Cada grupo é convidado a relatar o que foi discutido. O Frei Gilberto reforça as palavras de Robin em relação à mineração e o posicionamento da comunidade em relação ao assunto.
Aqui o resumo de cada grupo . A gente pode ler: a vontade de ver apoio à agricultura familiar, sem agrotóxico,  apoio técnico à produção agrícola, desenvolvimento do turismo, apoio ao lazer, educação, artes, artesanato, transporte para estudantes até Muriaé, aplicação do ICMS Ecológico na estruturação do Parque Municipal do Itrajuru, melhorias na saúde, segurança... Evidentemente que foi muito destacado a necessidade de pavimentação da estrada que liga a Itamuri e melhoria das estradas rurais.
Outro grupo se apresentando, Guilherme (IRACAMBI) reforça o repúdio à mineração.
Seguido de Pavão, produtor rural de orgânicos e ambientalista.
Edna foi muito veemente na defesa da agricultura familiar e na manutenção do produtor na terra, na produção de café, leite, etc, preocupada com a fuga destes quando da entrada de mineração na área.
Na mesma linha Zé Calais ...
E Também Adriele Cristina, na apresentação de seu grupo.
Isso é participação popular: Simone, mãe dos pequenos Gabriel e Claudiane, faz a entrega à prefeitura de um abaixo assinado.
Onde pedem o retorno para a UBS do pediatra Mauro Luiz Vieira, que daqui foi transferido, sem ser substituído por outro especialista da área. Tem mais folhas assinadas.
Mais uma dinâmica. Todos devem colocar adesivos coloridos, nos pontos fortes e fracos de Belisário.
Mauana, a nosso pedido, faz uma análise prévia do que sentiu nessa pontuação. Viu como pontos positivos apontados: as áreas verdes, o sentimento de "boa vizinhança", lugar bom para morar e as atividades rurais.
Como pontos negativos ela percebeu problemas na saúde, na educação pública, segurança, emprego, transporte público. Eu comentei que houve um mal entendido na hora dessa manifestação já que o banner foi preparado pensando em Muriaé, tratando das BRs e assim os participantes não viram onde seria o ponto a colocar como negativo as nossas estradas. Ela deu oportunidade para que as pessoas pudessem refazer isso. Afinal, ficou evidente nos debates que esse é o nosso maior problema. 
E foi assim a noite. Os que subiram a serra para coordenar o encontro ficaram impressionados com presença e participação.
Um lanche para todos.
Em setembro haverá uma audiência pública em Muriaé, onde todo o trabalho será apresentado, para aprovação popular.

Um comentário:

  1. DAS REPORTAGENS DOS ENCONTROS DOS OUTROS DISTRITOS, NAS FOTOS FICA BEM CLARO QUE EM BELISÁRIO A PARTICIPAÇÃO POPULAR FOI MESMO MARCANTE E POSITIVA.

    ResponderExcluir

Comente este post!