domingo, 10 de junho de 2018

ONDE CONSIGO ESTACIONAR?

As grandes cidades ficaram insuportáveis quando se fala em trânsito e estacionamento. Esse foi o principal motivo de ter trocado Salvador por Belisário, um distrito rural. Se você sair de casa para comprar algo de pouco valor, esse barato sai caro, pois você paga nunca menos de 20 reais, se for rápido. Se for algo que tenha de andar, almoçar, etc, aí pode separar mais dinheiro. Em muitos casos fica mais barato e fácil deixar o carro e pegar um Uber, que se tornou um grande vilão também dos donos de estacionamento, além dos taxistas. 
Cidade de porte médio, como Muriaé também existe o problema, não adianta chiar na hora do rush. Uma cidade projetada para uma população de 30, 40 mil habitantes, quando passa a ter 100, 400 ... tem de pagar o preço. 
Mas, a questão do estacionamento pode ser amenizada. Em Muriaé a coisa complica, pois estacionamentos privados são poucos principalmente para carros grandes como a minha pickup. Também a população não tem a cultura de pagar por isso. Nós mineiros então...
Certas regiões como a Barra eu nem acrescento em meu dia a dia. Dificilmente compro algo lá. Na região da Rodoviária dava para estacionar na JK, agora também está difícil. Vamos tentar uma vaga. Tenho de ir na EMATER e  na loja Campos Porto.

Todas as vagas ocupadas, até no final da avenida. Isso se repete no sentido contrário, até o Porto.
Como não estava com aquele calor próprio de Muriaé, peguei essa, uma das últimas.
Na loja Campos Porto deveria comprar um equipamento pesado, mas o carro está longe. Deixa para outro dia. O funcionário reclama que os carros são estacionados cedo na frente de sua loja e ali ficam durante todo o dia, depois que o supermercado passou a cobrar estacionamento se não houver uma compra por parte do cliente. 
Fui no DEMUTRAN procurar meu amigo de Facebook, Jackson Fernandes. Venho lamentando com ele a não retomada do processo de cobrança na rua no sistema rotativo, paralisado que foi na administração anterior, por decisão judicial a partir de denúncia do MP.
Lá fomos muito bem recebidos pelo diretor, Capitão Pimentel que nos falou das dificuldades que vem enfrentando para a regularização do processo, em função das muitas exigências, e que somente agora Muriaé passou a integrar o Sistema Nacional de Trânsito. Tem tido reuniões com a empresa que ganhou a licitação à época, e um dos entraves é o preço a ser cobrado pela hora estacionada, além da dificuldade em relação ao sistema de fiscalização dos estacionamentos.
Eu sou um defensor ferrenho da cobrança pelo estacionamento em locais públicos, como acontece em todo o mundo e nas grandes cidades. É democrático compartilhar essas áreas com todos e não apenas com alguns, que as ocupam durante todo o dia e, principalmente, aqueles que ocupam vagas para vender veículos.
Não sou especialista no assunto. As minhas aulas de "Transportes" na Engenharia aconteciam sempre nas tardes de sábado, coincidindo com as minhas "peladas". Com isso, de vez em sempre...
Pelo whatsApp conversei com um primo belisariense, hoje em JF, e especialista em transporte que me falou mais ou menos o que ouvi do DEMUTRAN:

A partir do estabelecimento de atual Código de Trânsito Brasileiro os municípios podem se integrar ao Sistema Nacional de Trânsito. Para isso existem várias exigências a serem cumpridas. Tem ônus e bônus. É um processo burocrático e sua manutenção é cara. Em contrapartida, o município passa a ter controle absoluto sobre a gestão do trânsito. Passa a exercer o poder de fiscalização com a criação da setor específico - agentes de trânsito. Neste ambiente a implantação de sistemas de estacionamento rotativo pago tem o amparo legal necessário e a sua gestão pelo município.
Por outro lado é possível implantar o sistema rotativo pago sem estar integrado, mas, seria necessário firmar um convênio com a Polícia Militar. Isto depende da vontade do comando da PM, o que as vezes,
 é favorável e colaborativo e as vezes não.
A integração ao SNT é viável e vários municípios menores do que Muriaé o fizeram. Precisa de vontade política e de investimento. É trabalhoso...

Vamos aguardar e torcer. A grande preocupação quanto ao custo é que ele passa a exigir a criação da "indústria da multa" por parte do gestor municipal. A gente não pode esquecer de Fernando Haddad, ex-prefeito de SP, que foi execrado da eleição por ter adotado essa postura. Uma pena, perdemos um bom nome na carente política nacional. Haddad é homem de bem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente este post!