domingo, 24 de junho de 2018

EU JÁ ESTOU COM O PÉ NESSA ESTRADA

 Eu já estou com o pé nessa estrada
Qualquer dia a gente se vê
Sei que nada será como antes, amanhã
Que notícias me dão dos amigos?
Que notícias me dão de você?  (Milton Nascimento)
Foi no sábado. Por motivos outros não pude blogar antes. Tomamos a direção de Rosário da Limeira.

Belisário nos aguarde.
Em Viçosa sempre aquela indecisão. Lafaiete ou Ponte Nova?
Venceu a segunda. Estamos em Ponte Nova, com uma maldade na cabeça.
Pena né? Imagina isso restaurado.
Outra mudança. Geralmente passo por fora,  mas hoje vamos entrar.
Ruas apertadas e assim vamos seguir esse carro o tempo todo.
Admirando os casarios bonitos.
Ouro Preto localiza-se em uma das principais áreas do ciclo do ouro. Oficialmente, foram enviadas a Portugal 800 toneladas de ouro no século XVIII, isso sem contar o que circulou de maneira ilegal, nem o que permaneceu na colônia, como por exemplo o ouro empregado na ornamentação das igrejas. O município chegou a ser a cidade mais populosa da América Latina, contando com cerca de 40 mil pessoas em 1730 e, décadas depois chegou a 80 mil. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Ouro_Preto)
E o carro ainda na minha frente. Agora estamos na Praça Tiradentes. 
Aqui o Museu da Inconfidência, prédio onde foi a antiga Casa da Câmara e Cadeia (1784)
Muito lindo tudo isso.
A maldade na minha cabeça está aqui. Restaurante Bené da Flauta. Considero o melhor e Ouro Preto.
De repente voltaremos a ter produção de trutas em Belisário.
Essa é uma turma e motociclista de São Paulo. Querem conhecer Belisário.
Quem será aquela linda mulher na janela?
Minha patroa.
Comer e pegar a estrada. 
Descendo e subindo ladeiras.
Já na estrada. Uma ponte ferroviária, da Vale do Rio Doce.
Aqui também é uma parada obrigatória.
Vou corrigir duas injustiças cometidas para com o proprietário, numa matéria anterior. Falei que ele um argentino pouco simpático. Primeira injustiça: ele não é argentino e sim paquistanês. Segundo que é um cara gente boa. Com ele a esposa, responsável pela produção de sorvetes maravilhosos, de rosa,gengibre, pimenta... Sabores exóticos do Paquistão.
Ganhei dois brindes.
Itabirito também faz parte de minha história de vida. Aqui era o ponto final de meu trecho ferroviário. Estava sempre por aqui
Agora na BR 040.
Passamos direto de BH. Paramos em Lagoa Santa, alguns poucos minutos, apenas para dar um abraço no amigo ferroviário Gê de Castro.
Foi uma parada curta. Vamos seguir em frente e eu lhe mostro na próxima matéria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente este post!