sexta-feira, 14 de julho de 2017

VAMOS CAMINHAR

Mudamos a rota. Voltamos à Comunidade Fazenda Veigas. A chuva deu uma trégua, embora ninguém aqui tenha pedido isso, e assim facilitou para a secagem do café.
Isso em todos os terreiros.
Vamos andando.
Uma imagem comum na zona rural. Casas abandonadas.
Isso também significa falta de mão de obra rural. Muitas árvores são tomadas pela erva daninha.
Esses adoram chuva.
Recém nascida (o).
Bicas de água pra todos os lados. o capim não está queimado. É o sol na lente.
Tá aí a prova.
Aquele caminhão acaba de passar abarrotado de café.
Um visão panorâmica.
As mulheres também entram na colheita e secagem do café.
Tião Arnaldo é gente muito respeitada aqui em Beli.
Ele foi alfabetizado aqui, onde funcionou uma escola rural.
Mais  minas.
O cacho de bananas até pode cair, mas ninguém rouba.
Ainda aplicando aquela técnica que aprendi para subir em árvores sem equipamentos.
É bastante arriscado e assim não recomendo.
Boi boi, boi
Boia da cara preta.
Por que olhas para mim
Eu também te olho,
Tò querendo o seu cupim.
É brincadeira cara! A gente nem pode brincar  com esse bicho.
Outra casa abandonada. Alguém tem alguma história dela?
Tal mãe tal filha.
A secagem aqui já é em estufa.
O que Mateus está fazendo aqui na hora da escola?
Gabriel tudo bem. Ele mora em Miradouro e estuda em escola particular em Muriaé. Vai e volta todos os dias. 
O pai Paulinho acredita na educação.
Vai pegar umas tangerinas para nós.
Morro de vergonha, mas aceito.
Você não pensou que nós viemos de Belisário até aqui caminhando, né?
Já de volta.
Vou arrumar um serviço lá em casa para Regina e Neura.

Sobre essa questão da água em época que não deveria acontecer chuvas Dr. Dárcio teceu aqui no blog um comentário recente.  Não abono nem deixo de abonar a sua linha de pensamento, que também é defendida por alguns, já que não técnico no assunto. Só acho interessante, em tempos de tantas informações, a gente não se prender na primeira que aprece. Debater é preciso.

"Aproveito o momento para manifestar minha total descrença nesse "papo furado" do aquecimento global por causas antropogênicas. Se não houvesse o efeito-estufa, o calor do sol que chega à Terra se dissiparia no espaço e não haveria a vida exuberante de plantas e animais. O efeito-estufa é controlado pela umidade nas altas camadas da atmosfera. O gás carbônico (CO²) é um gás natural do ar e sem ele não haveria fotossíntese, não haveria carboidratos, não haveria energia acumulada e, consequentemente, não haveria vida. O clima da Terra passa por vário ciclos que ainda não conhecemos bem. Sabemos contudo que os períodos de maior prosperidade coincidem com temperaturas mais elevadas. Boa parte do atraso por que passamos na Idade Média é explicado pelas baixas temperatura que lá predominaram durante uns 500 anos. É bem verdade que a urbanização contribui muito para o aquecimento, mas este é localizado nas grandes cidades. Em escala global a temperatura é controlada pelo oceanos e muito influenciada pelas florestas naturais e plantadas.
ATENÇÃO: não estou "autorizando" ninguém a destruir o meio-ambiente nem implantar mineração EMBELISARIO. Pelo contrário, acho que os governantes deveriam concentrar seus esforço em combater os problemas reais, com especial atenção ao continuo escasseamento dos recursos hídricos"
.

 Dárcio Calais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente este post!