sábado, 15 de abril de 2017

NESSE DOMINGO VAMOS CONHECER A RAINHA DA 18ª CAVALGADA DE BELISÁRIO

Algumas providências se faziam necessárias quanto ao concurso, mas antes fui pegar umas frutas na chácara de meu amigo Magela.  Uma sacola com banana e uma cana. Dispensei laranjas por já ter ganho.
Criatividade para levar a cana na bicicleta.
Vamos falar sério agora. Mateus, que comigo atua na tarefa de seleção de Rainha da Cavalgada, achou interessante dar para os jurados e concorrentes critérios de seleção, que Túlio Amaral nos mandou em 2016. Ele nos mandou novamente e fomos entregar aos envolvidos no processo.
Waguinho é jurado e estava em suas baias, aqui mesmo na rua.
Bruno também é jurado
Sem a câmera, com meu celular de pobre fui com Erci na Comunidade São Tomé. Olha que beleza a sede da propriedade, que é de Valdomiro, ex-Banco do Brasil.
Aqui na mesma propriedade mora Geovana Silva, que é candidata, já inscrita.
Muito bonita e  meiga.
Total afinidade com cavalos e zona rural.
Erci, dono da casa, que é sobrinho do Erci de boné, que me acompanhou, nos assistindo comer paçoca caseira.
Agora Griglema, mãe de Geovana e a baixinha também entram na foto. Que saco essa claridade
Água não falta.
Outro animal bonito. Dois  anos e meio.
Esse jipão com o motorista bebendo água na bica do Zé Carneiro chamou a minha atenção.
Pedi a ficha completa do motorista. É o Zé do Reboque, natural de Muriaé, atualmente reside e trabalha com guincho e peças usadas em Cabo frio.
Ele tem uma boa propriedade aqui na Serra e quer vendê-la. Não sou corretor mas divulgo as coisas. Se interessar fala com a gente: 32 99967 5567.
O carona é nosso conhecido. Fabrica pinga na fazendo do Guilherme Campos.
Mais uma cena rural.
Mudamos novamente de assunto. Voltando a falar de rainha, olha a outra candidata. É Kailane Toscano, que quer manter a forma para o concurso, sempre vindo malhar na academia aqui em casa.
E também pratica montaria. 
A amiga não quis concorrer. Metida!
O professor é Daltinho.
E agora a terceira candidata inscrita. É Paloma Coelho. Quis fotografá-la quando fui entregar o papel, mas ela não deixou. Tinha razão. Estava de avental arrumando cozinha. Sugeriu que eu pegasse na sua página do Face. Melhor assim.
Anote aí: Amanhã, domingo, dia 16 de abril, às 15:30 horas, lá no espaço de eventos do distrito. 
A Comissão Julgadora será composta por: Tão, Rafaela Vital, Janir, André, Sérgio Reis, Vaguinho e Bruno. Irão eleger 1 rainha e 2 princesas, que irão compor a Comissão de Frente da Cavalgada.

Veja as regras que serão observadas:

“Nos concursos de amazonas, rainhas de cavalgadas e concurso de marcha é essencial que os apresentadores estejam montados em animais com bom andamento, mas não significa que a marcha do animal será avaliada, ou seja, a qualidade do animal não importa, porém a escolha de um bom cavalo é fundamental para o desempenho da amazonas ou rainha, pois o" conjunto da obra" também é avaliado. E já dizia meu avô: "O bom cavaleiro começa pela escolha do bom cavalo".
Basicamente avaliamos nesses concursos a intimidade do cavaleiro com o assunto (é como mandar o jogador de futebol fazer embaixadinhas), onde observamos a naturalidade do acento, a postura das pernas e calcanhares, a postura de tronco, cabeça e braços, as empunhaduras de rédea, o domínio do cavaleiro e a exigência com sua montaria, e sua manutenção em ritmo adequado a marcha, etc. Logicamente, por se tratar de uma "prova" simples ao nos depararmos com bons apresentadores podemos aumentar a exigência, pois não conhecemos um bom equitador só pela postura, pois existem cavaleiros muito elegantes mas se exigir um pouco... a elegância vira nada!
Como disse, existem vários requisitos a serem avaliados.
1- Postura: A boa postura a cavalo é indispensável para que o cavaleiro / amazona possa obter do animal o máximo de performance, com equilíbrio e leveza do conjunto. Assentado próximo ao cepilho (parte anterior do assento da sela) deve-se manter o corpo na mesma vertical na qual se encontra o ponto de equilíbrio do cavalo, com o olhar sempre buscando o horizonte. Também é importante que se mantenha o peito projetado ligeiramente para frente, e os ombros para trás, assumindo, desta forma, uma postura equilibrada e elegante.
2- Empunhadura das rédeas: Ao empunhar as rédeas, os braços devem descer numa vertical paralela ao tronco, sempre colados a este. Os cotovelos, semiflexionados, devem estar sempre prontos para amortecer impactos vindos do antebraço, através de sua articulação. O antebraço por sua vez, deverá se encontrar formando um ângulo de aproximadamente cem graus com o braço, de tal forma que as mãos se mantenham logo adiante da cernelha, próximo da crineira, pois desta forma elas nunca estarão altas.
3 – Qualidade de Assento: É muito importante que o cavaleiro / amazona permaneça estável sobre a sela para não prejudicar o equilíbrio e a liberdade de movimento do conjunto. O quadril é o ponto crucial na manutenção de um bom assento e no amortecimento de atritos. Sempre colado à sela, teve ter suas articulações com a coluna bem flexível, para o bom desempenho desta função.
4 – Descida de Pernas: As coxas devem descer naturalmente aderidas à sela. Os joelhos, semiflexionados, devem manter contato com a mesma, sem se tornarem, no entanto, ponto de apoio. As pernas, que desempenham importante função na equitação, deverão descer na vertical, bem alongadas, estando a panturrilha sempre colada ao costado do animal.
5 – Forma de Estribar: Ao calçar os estribos, os pés deverão ser mantidos com a ponta para frente e ligeiramente acima do calcanhar. Este posicionamento é importante para que as articulações do tornozelo possam auxiliar no amortecimento de atritos.
6 - Contato e Apoio: A promoção de uma correta relação entre contato e apoio durante o decorrer da prova, exige uma ação mútua entre a condutora e sua montaria, sendo indispensável ao conjunto para que este consiga atingir um desempenho satisfatório.
O contato é a comunicação exercida entre as mãos do cavaleiro e a boca do cavalo, promovida pelo cavaleiro a partir do correto ajuste das rédeas.
O apoio é a pressão exercida pelo cavalo às rédeas devidamente ajustadas pelo cavaleiro. O cavaleiro deve ser consciente de que se as rédeas penderem frouxas, a embocadura não se ajusta na boca do animal e as ações de suas mãos poderão gerar traumatismos.
7- Naturalidade: É indispensável que o participante se porte com naturalidade sobre a sela ao promover a manutenção correta de sua postura, atuando de forma flexível, harmoniosa e em completa sincronia com a dinâmica de sua montaria.
8 – Desempenho do Conjunto: Finalizando nossa avaliação, passamos a observar a qualidade da apresentação do animal, reflexo direto da condução imposta por seu condutor(a). Para tanto, o mesmo deverá apresentar-se bem “impulsionado”, com “regularidade” no seu ritmo de prova, em “atitude” correta demonstrando estar na “mão” do seu apresentador(a), respondendo aos comandos com expressão de “descontração”.
Acessórios: Todo cavaleiro tem seus acessório de montada, sendo eles indispensáveis para uma perfeita montaria, chapéu ou boné, calça Jeans, bota com aba ou botina com perneira, cinto com ou sem fivela, camisa de preferência finalizada dentro da calça, tala, chicote ou vara, espora ou cutucadeira (não pode forma alguma sangrar o animal).
Elegância e simpatia: Uma rainha de cavalgada deve manter todos esses critérios e demonstrar elegância ao montar, demonstrando simpatia e carisma a sua comunidade."
Informações cedidas pelo Centro de Treinamento de Equestres Mário Alino Barduni Borges


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente este post!