quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

O BOM FILHO À CASA TORNA

Tempo firme, estrada boa, então vamos encurtar caminho, passando pela Comunidade Veiga, evitando Itamuri.
Também um outro forte motivo. Queríamos visitar um amigo que esteve internado semana passada.
Olha ele aí! O Coronel Manduca, gente muito querida. É impressionante a sua memória e atualização em relação às coisas que estão acontecendo na região e no pais. Dá gosto conversar com ele.
Sobre a enfermidade, o Coronel Manduca esteve com pneumonia mas já recuperou. Também a sua idade ajuda. Tem apenas 91 anos.
A família é muito grande e com isso, sempre tem alguém visitando. O jovem é Dr. André, seu neto, advogado lá em Muriaé. Ele trabalha muito com Direito Previdenciário, principalmente de trabalhador rural. Quer o contato dele? : (32) 99920 6653. O baixinho é o Hugo, outro neto.
Mirian logo capta cenas da vida rural.
Passamos em cima de muitas mangas caídas pela estrada. 
Nilda é irmã de Mariazinha a mulher de Manduca. Ela mora em Curitiba, de onde vai passar a acompanhar EMBELISARIO.
Olha aí as duas!
E Mirian pra enfeitar ainda mais a foto.
Já estamos passando pela Comunidade da Varginha, que pertence a Miradouro.
O nosso prefeito Grego pretende também pavimentar a nossa estrada, com paralelipípedos.  Esse aí não é uma boa referência. Ficou matado o serviço.
Com esse desvio, já estamos na BR 116, pertinho de Miradouro.
Fico revoltadíssimo e sempre comento no site de Silvan Alves , em relação ao desrespeito à vida por parte do DENIT e autoridades que deveriam cobrar, como o MPF Federal, pela péssima qualidade da estrada nessa região, onde tem a famosa "tombadeira". Quase todas semana tem acidentes por aqui.
Quem viaja por longa distância, geralmente vindo ou indo para o Nordeste, de repente se depara com pistas completamente irregulares, que jogam o carro pra cima, pros lados... Isso já vem de muito tempo.
Olha as marcas de frenagem.
Aqui eu desci do carro pra registrar. A pergunta que faço é como um Engenheiro Residente dorme tranquilo tendo isso no seu trecho? Falo com a autoridade de um ex Residente ferroviário, que chefiou outros 8 Engenheiros Residentes no trecho RIO-SP-BH, e onde o risco era somente de carga, já que não havia trem de passageiros.  No mínimo, uma agressiva sinalização deveria haver aqui.
Agora uma bela vista de um cafezal. Estão dando lugar às pastagens.
Já deixamos a BR 116  e estamos chegando em Carangola.
Admiro os inúmeros imóveis antigos e muito bem cuidados que tem nessa cidade. 
Essa é especial. Já mostrei outras vezes. Aqui nasceu, em 1953 um famoso, hoje Diretor Presidente do maior veículo de comunicação de Belisário.
Essa beleza, tombada pelo Patrimônio Municipal, era propriedade de uma tia. 
Na verdade nasci e me mudei de Carangola para Governador Valadares, com apenas 2 anos. 
O almoço é sempre no Restaurante Picanha. Muito bom.
E já estamos de novo na estrada.
Bem pertinho, entramos em Faria Lemos.
A ferrovia passou por aqui.
Esse o objetivo da viagem. Visitar Tio Silas. Na verdade tio de Mirian e meu primo. Ele nasceu em Belisário, neto de Sebastião Gonçalves Martins, que dá nome à praça onde moramos.
Ele tem muitas histórias e boas recordações de Beli.
Algumas horas de conversa e partimos de volta. Não deu nem pra reduzir, para  fotografar a cachoeira. Carros na traseira.
Inocentemente optamos novamente por cortar caminho pela Varginha, como fizemos na ida. O problema é que tinha chovido nessa região e passamos alguns apertos, mesmo com a tração nas 4 rodas. Desci para ver um carro atolado lá em cima.
Com as pernas tremendo subimos, atravessando a caminhonete na pista o tempo todo. Mas, com a respiração fechada,  passamos pelo tal carro sem rabiar. Tá aí a prova.

Apesar desse sustinho pra mim e pânico pra patroa, chegamos bem. Foi um agradável dia. 

5 comentários:

  1. Bela reportagem, parabéns amigo. Gustavo Duriez de Sousa.

    ResponderExcluir
  2. Bom ver essa região mineira tão querida, mesmo que a foto da cachoeira perto de Faria Lemos (?), não tenha merecido melhores ângulos e descrição, culpa da fotógrafa sei que não foi. Com certeza, mais tarde haveria jogo do GALO. Que maldição... Adorei rever Carangola, que além de berço desse " especial amigo de todo mundo', o blogger Cléber, é nome do ônibus muito bom que me deixa em Muriaé cada vez que posso ir até ai. Acabei verificando o que significa a palavra Carangola. Diz o dicionário que há várias versões, parecendo ainda uma incógnita. O mais aceito, é que na região há abundância de "cará", tido como cará de Angola. A região era habitada por índios Coroados e Puris. A expressão "de Angola" talvez venha de um capim e era usado pelos escravos negros vindos de Angola e portugueses que foram parar ai. Interessante que, na convivência, os índios passaram a pintar o rosto imitando os negros de Angola. Pode ser que estes escravos tenham incorporado também alguns dos costumes indígenas, como na adoção da palavra "cará", vocábulo indígena que ainda hoje usamos.
    Mas, bom mesmo, foi ver fotos e notícias boas do tio Silas e do Cel. Manduca.

    ResponderExcluir
  3. Diga ao Manoel que quero encontrar com ele. Foi meu contemporâneo de Universidade e companheiro de viagens do Rio para Muriaé. É um cara especial que tem laços com a terra.
    Abraços
    Marcel Brum

    ResponderExcluir
  4. Nossa, Sr Cleber e D . Mirian Quanta honra fazer parte de seu blog;As fotos ficaram lindas , saber que a partir de agora posso ver as noticias da minha querida terrinha( Belisário ) que há mais de cinquenta anos deixei para traz. . Também deixei parte de minha família e amigos muito queridos Hoje voltando a este paraíso revendo quase tudo do que deixei ainda tive oportunidade de conhecer pessoas tao especiais como o Sr e Sra Cleber e Mirian . No dia quatorze de janeiro voltei para Curitiba capital do Pr cidade que escolhi para constituir minha família. e dar continuidade na tarefa de educadora aos meus queridos alunos. Profissão que amo exercer.Com a certeza de que a distancia agora será compensada, pois estarei sempre vendo todas as novidades através deste maravilhoso blog. Um grande abraço. E espero que quando vierem em Curitiba , cheguem em minha casa para tomarem um (leite quente) E muito obrigada .....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nilda maria soares feitoza23 de janeiro de 2017 01:40

      Nilda Maria Soares Feitoza.

      Excluir

Comente este post!