segunda-feira, 24 de outubro de 2016

VAMOS VIAJAR MAIS. TEMOS MUITA COISA PRA MOSTRAR.

Você ainda está em Lisboa e nós já estamos no Porto. Vamos acelerar. Vamos partir do Aeroporto de Lisboa. Isso foi sexta-feira, acho eu. A gente se perde no tempo.
André/Mari  fizeram, pela internet, reserva de um carro para nós.
Mirian e eu voltamos para o hotel, somente para fechar a conta e pegar as malas.
E já estamos numa auto-pista. Não tem como comparar. Não existe uma única edificação sequer, ao longo de muitos quilômetros. Apenas 1 posto de combustível a uma determinada distância. Um só. Não é aquele monte de comércio, que tira a segurança da estrada, com entrada e saída de veículos.
Com isso não há quebra molas, não tem policia rodoviária, não tem radar. A velocidade máxima é 120, mas todo mundo anda acima disso. A extorsão no Brasil é nojenta.
A nossa programação é a cidade de Sintra.
A região tem diversos castelos para serem visitados. Nós só conseguimos uma visita. Chegamos e logo choveu muito.
Sobre Sintra, resumi, como sempre do Wikipedia:
Sintra tem quase 400 mil habitantes mas não foi elevada à categoria de cidade. A Paisagem Cultural de Sintra é Patrimônio Mundial da UNESCO.
Podemos encontrar na vila de Sintra testemunhos de praticamente todas as épocas da história portuguesa. Os mais antigos testemunhos de ocupação humana dão conta dessa presença aqui no início do quinto milénio antes de Cristo.
Após a Invasão muçulmana do século XVIII, a região de Sintra foi ocupada, tendo a povoação recebido o nome de as-Shantara. A reconquista pelos exércitos cristãos somente se deu no século XI.
Vamos subir a serra, para chegar no Castelo da Pena.
O carro fica num estacionamento e vamos subir  a pé.
A visita foi muito prejudicada com a chuva. Difícil registrar.
Mas turista é insistente.
O Palácio da Pena ou Castelo da Pena foi eleito em 2007, como uma das Sete Maravilhas de Portugal. Coube a D. Fernando, em 1847, a recuperação do mosteiro e a construção de todo o castelo. Esse busto é dele.
Uma mesa do jeito que Mirian gosta.
Você se acha gordinha? Com isso evita biquíni? Veja essas modelos dessa pintura.
Elas representam ninfas. Viu como você não entende nada de gosto masculino?
O guia que me explicou que o pai de D. Pedro II foi D. Pedro IV. Não tem o III.
Vá vendo os aposentos e todo o castelo.
Isso eu não gostei.
Sala de visitas...
Sala dos veados.
Cozinha completa.
Achei um gozador que correu pra entrar na minha foto. Nem identifiquei a sua língua.
Tirei essa foto do Google, já que não pudemos tirar as nossas, pela chuva e neblina.
Já estamos de partida. Deixamos prá outra vez, novas visitas em outros castelos.
Estacionamos no centro. A chuva deu uma trégua.
André nos recomendou aquela rua.
Mais precisamente essa loja.
Aqui tem os famosos travesseiros e queijadinha de Sintra.
Vamos dirigindo e saindo da cidade.

Temos outra cidade para conhecer. temos a registrar algo desagradável aqui. Na descida do castelo para o carro, naquelas pedras escorregadias, Mirian levou um tombão. Inchou o tornozelo,mas nada quebrou. Gelo, anti-inflamatório  e vai seguir mancando



Um comentário:

  1. Os tombos são frequentes quando a gente anda por " mares nunca dantes navegados". Falta de memória dos músculos acostumados a outras plagas... Mas, a lembrança do que viu e ficou para trás vai curar bem e rápido o tornozelo de Mirian! Continuem nesse pique que estamos curtindo muito!

    ResponderExcluir

Comente este post!